Entender os casos em Alemão (parte II) - o Hino do Brasil


Noutro texto havia explicado, de modo geral, o motivo da existência dos casos em Alemão. De forma sintética pode-se dizer, que em Alemão, tal como por exemplo no Latim, nas línguas Eslavas ou no Grego, os casos, fazendo uso de declinações, servem para assinalar a função sintática da palavra; isto é, se a dita palavra ou conjunto de palavras representam o sujeito, o complemente direto, complemente indireto, etc. Tal mecânica sintática, permite atribuir maior liberdade à posição das palavras, sem que o significado da oração se torne críptico. Embora em Português, a regra da posição das palavras seja menos restrita, fica por vezes complexo identificar numa determinada frase, a função sintática de cada uma das palavras, quando estas fogem à ordem a qual estamos habituados a ouvir.

Um caso que acho muito interessante refere-se à letra do hino do Brasil, mais particularmente às duas primeiras estrofes:
Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heroico o brado retumbante
Faço uma pergunta ao caro leitor: consegue de forma imediata, identificar nos versos acima, o sujeito, o complemento direito e indireto? Caso todavia reordenemos as palavras para a posição mais comum que têm considerando as suas funções sintáticas, fica mais fácil a compreensão da oração:
As margens plácidas do Ipiranga ouviram 
o brado retumbante de um povo heroico 
É um clássico na Poesia, reordenar o sentido normal das palavras, sendo que a língua Portuguesa é muito flexível no que toca às regras para as posições das palavras, como se constata nos dois versos acima. Mas também é um facto que quando reordenamos uma frase em Português, tornamo-la por vezes críptica ou em certos casos quase impercetível. Ora vejamos um exemplo. Nas seguintes frases com o mesmo significado, quantas combinações sintáticas podemos estabelecer sem alterar o significado da oração. 
Posso recomendar-te uma boa bicicleta
Uma boa bicicleta posso recomendar-te
Recomendar-te posso uma boa bicicleta
Uma bicicleta boa recomendar-te posso
Em Alemão, pelo facto de se fazer uso de casos com declinações, as frases, mesmo reordenadas, ficam sempre claras. Não esquecer todavia que em Alemão, o verbo surge sempre na segunda posição.
Ich kann dir ein gutes Fahrrad empfehlen
Ich kann ein gutes Fahrrad dir empfehlen
Ein gutes Fahrrad kann ich dir empfehlen
Dir kann ich ein gutes Fahrrad empfehlen
Embora alguns dos exemplos acima sejam menos usados, estão gramaticalmente corretos e são claros não levantando ambiguidade. Os casos, tal como no Latim, têm assim a vantagem sintática, de permitir maior combinatória das diversas palavras numa determinada oração, sem perda inerente de clareza. No exemplo acima, o nominativo, ou seja, sujeito, é a palavra "eu" (Ich), o verbo é "poder recomendar" (empfehlen können), "a bicicleta" é o predicado, complemente ou objeto direto, estando assim no acusativo (das Fahrrad); sendo "tu" (dir), o complemente ou objeto indireto, estando logo no dativo.

Voltando ao exemplo inicial do Hino do Brasil, podemos assim referir que "as margens", sendo o sujeito, estariam no nominativo; "o brado retumbante" no acusativo; e quer o "Ipiranga", quer o povo heróico estariam no genitivo, pois fazem referência a posse, ou seja, possuem respetivamente "as margens" e "o brado retumbante". Assim, uma tradução possível para Alemão seria:
Die gelassene Ufer des Ipirangas hörten
den dröhnenden Schrei eines heroischen Volks
Considerando que grito em Alemão, tal como em Português, é uma palavra masculina (der Schrei), fica no caso acusativo den Schrei. Repare-se como em Ipiranga, adiciona-se a letra [s] no final, para se fornecer o caso genitivo, um pouco como em Inglês com o [s] seguido de apóstrofo; tendo eu assumido neste caso que Ipiranga seria uma palavra masculina, pois é um riacho (der Wasserlauf). Já no caso da palavra "povo" (das Volk), não basta adicionar o [s] no final, considerando que a palavra é antecedida do artigo indefinido "um" (ein), e como em Alemão a declinação faz-se, para cada caso, quer no artigo, quer no adjetivo (neste caso heroisch), quer no nome, fica então neste caso eines heroischen Volks. 

Recorde-se a parte I deste artigo onde apresento a tabela para as diferentes combinações para os artigos, adjetivos e nomes, em função de género, caso e número. Agora, havendo declinação para cada palavra, considerando a respetiva função sintática, pode-se então reordenar as palavras dos dois versos, sem perda de sentido, respeitando assim o espírito original da letra do Hino do Brasil.
Des Ipirangas hörten die gelassene Ufer
eines heroischen Volks den dröhnenden Schrei

Sem comentários:

Enviar um comentário