Quão suja e feia é Lisboa


Lisboa tresanda, está putrefacta e entregue aos moribundos. Quão feia é Lisboa, esta capital que não deveria sequer merecer o título de capital, deveria antes capitular perante incêndios e exércitos invasores. Qual capital de um império decadente, Lisboa encontra-se deveras putrefacta, mórbida, pestilenta, imunda, nauseabunda e com odores que repugnam o mais ilustre dos turistas. Lisboa é tão feia, tão repugnante, é um esgoto desta Europa que dejecta todas as suas imundices nesta ocidental praia suja lusitana.

E passo a explicar esta minha missiva de indignação. Os jardins públicos numa metrópole convencional são ocupados por crianças que se regozijam e brincam alegremente; por vezes sentam-se nos belos bancos de jardim de madeira e de ferro forjado os maravilhosos casais de enamorados; mas em Lisboa, os jardins são para os indigentes, para os moribundos, para os sem-abrigo e para os embriagados. O estado social não trata desta gente, e estes ociosos abundam nos jardins públicos depositando os seus nefastos dejectos fecais nos passeios e nas relvas onde brincam as crianças. Os animais que passeiam os cães, desrespeitosos com as questões de saúde pública não apreciam manipular os dejectos dos seus melhores amigos, sendo que a tão famigerada calçada à portuguesa é sempre bem agraciada com aquelas massas fecais disformes de cor acastanhada rodeadas por moscas nojentas e pestilentas. Os jardins da cidade, à excepção do Parque das Nações e de Belém, são um autêntico antro de indigentes, de moribundos, de fezes de animais domésticos, e de ociosos nauseabundos. Os jardins de Lisboa não são dos lisboetas. Quantos de vós lisboetas passearam ou se deleitaram com um bom momento de reflexão e de prazer num jardim público em Lisboa?

As casas são devolutas, estão podres e putrefactas, inabitadas ou entregues a senhorios que nada fazem para as recuperar pois auferem uns míseros euros por mês de rendas. Há outras que nem estão habitadas, nem entendo bem porquê, os prédios estão completamente a desfazer-se e podres por dentro, estando completamente abandonados, sendo até certo ponto um risco para os transeuntes. A culpa é dos malfeitores senhorios e proprietários sequiosos por dinheiro que só vendem o terreno por milhões de euros, e o prédio vai ficando assim, abandonado e devoluto. Um jovem casal da classe média que pretenda comprar casa, tem de recorrer aos subúrbios de Sintra, à Rinchoa, ao Cacém ou a Vila Franca, sendo sempre tão largamente anunciado por estes promotores imobiliários em cartazes, os princípios dos sentimentos paradisíacos e da felicidade em belas casas a apenas 45 minutos de Lisboa. Pois os jovens casais da classe média vão para a Rinchoa e para Santa Iria, e as casas do centro da cidade estão entregues a especuladores imobiliários ou então estão literalmente devolutas, inabitadas ou decadentes. Por que é que os ridículos governantes camarários não expropriam literalmente esses senhores, dando-lhes um preço ridículo pelo imóvel como castigo pela sua inobservância e falta de zelo pela coisa pública? Venha novamente entre nós um primeiro de Novembro de 1755 para revolucionar o sector imobiliário em Lisboa! Venha novamente um 25 de Agosto de 1988 para renovar o sector comercial e imobiliário no centro de Lisboa!

Lisboa é feia, é nauseabunda, é pestilenta, é desorganizada, é caótica e suja. Os carros invadem as artérias principais da cidade, e qual peste sonora e atmosférica, essas massas de ferro enlatado com motor penetram nas veias principais da metrópole e enchem-na com caos, desfiguração pitoresca, barulho, poluição, definhando e ocupando o seu espaço precioso. A empresa camarária de nome EMEL, nada faz limitando-se a mamar o erário pecuniário dos condutores para diminuir o tremendo défice camarário. No entanto continuam a abundar na cidade que viu partir as caravelas do Infante, os nefastos e funestos arrumadores de carros, quais ratos e baratas que se espezinham violenta e energicamente, mas que continuam a movimentar-se e a deambular pela cidade extorquindo os temerosos condutores.

A cidade é execrável, é hedionda, é horrível e é feia. As paredes das habitações, e todo o imobiliário público como quiosques ou paragens de autocarro estão repletas de grafitos nojentos, quais puros actos perpetrados por vândalos cosmopolitas. Nenhum dos grafitos que vejo em Lisboa é arte, são apenas rabiscos sem qualquer cariz artístico, apenas e tão-somente meros actos de vandalismo público. As paredes das habitações, as lojas, as paragens, os quiosques, as cabinas públicas, até os pequenos cilindros afunilados que servem de apoio à iluminação pública, são alvo de vandalismo pictórico por grafitos nojentos e sem sentido. É tudo desregrado e sem sentido. Lisboa é suja e nojenta. Onde está o “cheira bem cheira a Lisboa” eternizado pelo seu requintíssimo fado? A Mouraria está entregue aos carros e aos criminosos, Alfama está entregue aos indigentes, a Baixa aos turistas, o Bairro Alto aos embriagados, a Madragoa ao lixo público, a Lapa aos nobres aristocratas e o Restelo à prostituição. Resta apenas nesta Lisboa o nobre Parque das Nações, sempre jovial, belo, limpo, ordeiro, civilizado, eclético, comercial e cívico.

Lisboa é tão feia, é tão suja, caminhar pelos passeios de Lisboa é como caminhar por um campo minado de restos fecais de cães e dejectos de sem-abrigo. Os carros não respeitam os passeios e estacionam onde lhes apetece. Os monumentos estão degradados e sujos devido à poluição atmosférica causada pelo parque automóvel. As ciclovias são praticamente inexistentes, e acreditem que a morfologia da cidade permitiria que vários ciclistas caminhassem por Lisboa. Os carros trespassam passeios, invadem o espaço do peão, e passear a pé em Lisboa tornou-se praticamente caótico e desregulado. Todos os veículos ultrapassam em Lisboa a velocidade máxima permitida nas cidades pelo Código da Estrada. Quantos condutores lisboetas não ultrapassaram alguma vez os 50km/h em Lisboa? Merda, Lisboa tem em média 2,2 atropelamentos por dia, e tal deve-se apenas ao facto de esta ser estúpida e desrespeitosa perante os direitos dos seus peões.

Lisboa é criminosa, está cheia de indigentes, criminosos, travestis, proxenetas, prostitutas, moribundos e mendigos. Todas as portas das igrejas da cidade estão repletas de ratos mendicantes que anseiam sequiosos o seu quinhão para poderem adquirir o vinho e a droga que lhes saciará o vício. Todos os parques de estacionamento estão repletos de ratazanas arrumadoras de veículos de quatro rodas que extorquem dinheiro a troco de exactamente nada. Lisboa é tão homossexual; está repleta de bichas, maricas, panascas, larilas e vendedores ambulantes de panelas que ostentam tanta folia tão severamente fútil e frívola, Lisboa não passa de um antro de lésbicas homofóbicas. Lisboa é um dos centros mundiais da nefasta, vergonhosa, repugnante e nauseante homossexualidade. Concluindo, Lisboa não é mais do que uma bicha, suja, indigente, sem abrigo, que dejecta nos passeios e que se movimenta de automóvel. Lisboa não serve os cidadãos civilizados, Lisboa nunca deveria receber o título de pólis, é apenas um esgoto europeu para ratazanas asquerosas sem qualquer brio ou sentido de higiene pública.

É esta a cidade de Pessoa que viu partir as caravelas do Infante?

18 comentários:

  1. Boa noite. Li o seu comentário sobre Lisboa e concordo plenamente com o que diz. Lisboa hoje esta entregue a si mesmo e aos vandalos que cada vez mais a descaracterizam. Há um profundo desrespeito por uma cidade que pertence a todos nós. O que me tem chocado cada vez mais é a violência gratuita e o estado de abandono a que esta votada. São inumeros os grafitis e actos de vandismo não só por toda edificaçao urbana, como no patrimônio publico, paragens de autocarros, sinalização de trãnsito, estações de metro, o próprio metro, enfim nada escapa à fúria de marginais inqualificáveis, sem pudor e aos quais não é imputada responsabilidade criminal. Esta já não é a cidade que pela sua beleza, cheiro a flores e a mar tantas vezes foi elogiada e cantada por grandes poetas. Lisboa poderia ser mais uma das mais belas cidades da Europa porque alem do patrimônio arquitectonico tao esquecido é a cidade das sete colinas. Mas esta cidade ja nao me encanta com a sua beleza e onde ja nao me revejo. É a Lisboa das ruas esburacadas, dos malfeitores, dos pedintes que ocupam espaços públicos,do cheiro a sujo, dos carros onde não há lugar para os peões e de muitos ignóbeis e de imbecis e onde os sonham não existem.

    José Courinha

    ResponderEliminar
  2. Como é possível que vocês falem da minha cidade desta maneira,sou brasileira de origem portuguesa,meus pais são tradicionais de Lisboa,tenho muito orgulho da minha cidade,pois adimiro uma cidade que tem uma história tão importante em Portugal,amo Lisboa,de qualquer forma não concordo com vocês,que não tem classe e nem distinção para falar mal da minha Lisboa,seus porcos,imundos! Ass:Louise Teixeira de Araújo Cabral.

    ResponderEliminar
  3. Cara Louise Teixeira de Araújo Cabral. Obrigado pelo seu comentário. No entanto cabe-me referir que sou de Lisboa, e que esta cidade é porca, suja, está entregue aos indigentes, vádios, sem-abrigo, ao tráfico automóvel, e ao lixo urbano. Eu não escrevo do Brasil, eu escrevo de Lisboa e vejo a Baixa inundada de sem-abrigo, pedintes, jardins sujos e porcos, paredes cheias de grafitos, prédios devolutos e e tráfico automóvel caótico... Esta Lisboa representa os desectos da Europa... Safam-se o Parque das Nações, e alguns bairros históricos para inglês ver.
    Cumprimentos de Lisboa

    ResponderEliminar
  4. Realmente, Lisboa tornou-se uma cidade frustrante. Sempre que vou lá, pelo Cais do Sodré até ao Bairro Alto, só vejo rabiscos de grafito e destruição. Saio de lá quase em depressão... Aquilo é mesmo um nojo... Graças a deus que vivo em Cascais. As milhares de pessoas que parecem gostar de Lisboa não devem ter olhos na cara. Não vêem a selva cosmopolitana que se lhes apresenta a perdida cidade de Lisboa.
    Mas uma coisa é facto. Há esperança: Parque das Nações.
    É de longe um dos melhores trabalhos de urbanismo e arquitetura em toda a Europa. É o nosso pequeno Dubai! Temos todos que contribui para que ele não acabe na desgraça que está o resto da cidade. Parece um pouco forte dizer isto assim, mas a solução está em mantê-lo isolado do resto da escumalha da cidade, tal como está hoje, e manter na sua área residencial mais próxima num raio de 20 km só classes médias altas e altas, porque, sejamos honestos, o vandalismo, os grafitos e toda a nojeira vem de quem não tem educação e poder de compra, pobres coitados... As poucas áreas de indústria que ainda sobrevivem, e que circundam o bairro devem manter-se, para não darem o lugar a áreas residenciais de classes médias ou médias/baixas, antes, se houvesse substituição, que fosse para prolongar a faixa de residências de média alta e alta classe.
    Quem se importa e quer qualidade, vá para o Parque das Nações. Tudo o resto, pode bem ir para o bairro alto drogar-se e prostituir-se. Puro e duro, é mesmo assim.

    ResponderEliminar
  5. nossa gente sou brasileiro e sempre quis conhecer lisboa...aí vejo um monte de portugueses falando mau de uma cidade que é a capital da lingua portuguesa,esta certo que infelizmente lisboa não é mais a mesma e que é muito pequena se comparada á são paulo,londres,toquio,cidade do mexico e que assim deveria ser mais cuidada,no entanto,a crise economica afeta todos os setores de um país,tenham paciencia logo sera como antes .Até mais

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro
      Se é brasileiro não venha a Lisboa, deixe-se ficar pelo Brasil. Por aqui só vai encontrar lixo, dejetos fecais de cães, ciganos a vender droga, arrumadores de carros e tráfego automóvel em demasia... jardins, nem vê-los, os monumentos estão podres, abandonados ou danificados pela poluição, as praças outrora para as pessoas foram convertidas em rotundas, e parques infantis nem vê-los... Esta cidade, tornou-se na maior merda urbana que a Europa já conheceu...
      Deixe-se ficar pelo Brasil, pela cidade maravilhosa que por aqui só encontrará decadência...
      Cumprimentos

      Eliminar
  6. Se for verdade o que o senhor diz, entao este post é muito lisboeta: feio, sujo e nauseabundo.

    ResponderEliminar
  7. Portugal é tão triste, nem uma cidade boa podemos ter, que desgraça é este feio, sujo e miserável país em que a nossa capital tornou-se numa degradação.

    ResponderEliminar
  8. Eu também concordo com este artigo. Viajei o ano passado para lá, sempre foi um sonho para mim visitar, tem uma historia tão longa e importante.

    Eu sou novo mexicano dos Estados Unidos, e quando eu fui para Lisboa me senti taõ terrível ao ver uma cidade tão maravilhosa cheia de gente estrangeira que claramente não se importam com ela. A cidadãos só recheiam a cidade com lixo e grafiti, é veramente uma grande tristeza ver a cidade assim.

    Não acho que eu vá voltar logo, é uma tragédia.

    ResponderEliminar
  9. Se Lisboa è suja..... eu convido voces TODOS a fazer uma viagem em Roma, "a capital do mundo" para ver com o VOSSOS OLHOS como è uma cidade realmente suja, nojenta, que mau cheira de xixi, caca e lixo em TODOS e onde MUITA gente mal-educada deita o lixo na terra porque os lixeiros nao sao esvaziados com reguladidade.

    Se Lisboa è uma cidade feia, eu convido voces TODOS a fazer um passeio especialmente nos bairros do este de Roma, onde o lixo enche as ruas, e onde a gente dirige o carro de uma maneira criminal (na verdade, na Roma inteira a gente dirige o carro muito mal!)

    depois voces terem deslumbrado vindo o Colosseo, as fontanas, o Rio Tevere, os monumentos, olhe melhor a realidade: TODOS os bairros sao im um mà estado EXCEPTO o centro historico e especialmente o vaticano que, como todos sabem, precisa de massas de iludidos pra ganhar dinheiro e exercitar seu poder.

    Eu nasci e moro em Roma hà 40 anos. Mas eu vim em Lisbona exactamente noves vezes: voce pode confiar em mim: posso dizer com tranquilidade que Lisboa è muito mais limpa e mais ordenada do que a Cidade eterna... Em Lisboa parece que a gente vive um pouco melhor, e que o sistema faz boas coisas pra cuidar da beleza.
    Parece que aqui o sistema oferece serviços validos ao cidadao. Em Roma parece que o sistema sò trabalha pra juntar dinheiro e pra alimentar as varias mafias. No meu bairro tem acabado a construiçao da nova Metro C e os lixeiros sao sempre cheios e a gente insiste em sujar o chao.

    Eis aqui a diferença entre uma cidade pequena com menk historias do que Roma, mas onde a dignidade ainda è importante.. e a Cidade eterna onde a dignidade nao conta mais.

    ResponderEliminar
  10. Recolha os sem abrigo em sua casa... quer coloca-los onde?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na Holanda, Suécia e Suíça a indigência é proibida. Não tem onde dormir? É recolhido e vai para um centro. Os indigentes e vagabundos são uma praga na cidade e um atentado à saúde pública.

      Eliminar
  11. Lisboa é escura e suja ! Escura e suja deve ser a lingua de quem escreve tais depautérios. Lisboa é uma das cidades mais bonitas do mundo, com uma traça de há mais de 250 anos e que ainda é actual com prédios, por exemplo da Baixa Pombalina, com um sentido social como hoje já não se liga em lado nenhum. Concordo com a chatisse dos dejetos de cães por ruas e jardins. Realmente os donos dos animais poderiam vir munidos de sacos de plástico para apanhar a porcaria. Quanto a indigentes nos jardins publicos , não quer dizer que não haja um ou outro, mas não é norma. De qualquer forma os indigentes, pobres e idosos têm tanto ou mais direito que os "protestadores que aqui escrevem apasquinadas criticas. DE ha muito tempo que frequento, primeiro com os meus Filhos e agora com os meus netos, os jardins lisboetas, principalmente o da Estrela e nunca lá vi cenas que envergonhassem alguém. Por vezes vejo é estranjeiros mais ou menos Jovens que disfrutam, deitados sobre a relva do belo sol e claridade desta linda Lisboa. E Senhores Protestadores profissionais, quem não está bem, muda-se e se não tiverem para onde se mudarem, sugiro-lhes que o façam pró raio que os parta !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu falas pois deves ser daqueles que aprecia cidade de um álbum de postais, enquanto te sentas na zona de restauração de um grande centro comercial. Já se sentou em algum jardim público? Não dá! Ou tem dejetos fecais ou está imundo. Na Holanda, Suécia e Suíça a indigência é proibida. Não tem onde dormir? É recolhido e vai para um centro. Os indigentes e vagabundos são uma praga na cidade. Os grafitos são outro nojo; e claro, a lataria de carros em todo o lado, nos passeios, nos logradouros, etc. É muito giro falar de Lisboa com um ideal romantizado e pequeno-burguês.

      Eliminar
  12. Como alguém já falou Roma é um lixo, estamos nadando na merda literalmente. Lixo em tudo quanto é lugar, parques abandonados às ervas daninhas, mau cheiro, nojo
    Acho que o sangue latino é podre mesmo, gosta de sujeira e cheiro de cocô

    Francesca

    ResponderEliminar
  13. Grande artigo. Esta é exatamente a minha experiência de viver 40 anos em Lisboa. E, claro, todos os lisboetas negam isto na mais perfeita auto-ilusão. Para eles os dejetos nos passeios são flores.

    ResponderEliminar
  14. Gostei realmente do artigo, li e relacionei-me imenso com o dito. Parece-me apenas que está a confundir homossexualidade com todo o estereotipo referido (que é quase facto que existe, não vamos ser cegos). É senso comum que existe na maioria dos casos uma relaçao entre homossexualidade e o estereótipo a ela associada (de que por acaso não gosto, mas o que é gosto vale 0 em termos argumentativos pois não passa de uma opinião, na minha opinião ��), só queria apontar este pequeno pormenor, de que não deve "atirar as culpas" de toda a decadência que vê para cima da homosexualidade em si, deduzindo-se, para TODOS os homosexuais, uma vez que a homosexualidade é uma característica pertencente a estes. Fiquei contente por perceber que não sou uma espécie de alien pelo meu sentimento de que lisboa parece um 3° mundo... Sou engenheiro informático e já trabalhei em Lisboa. O que posso dizer é que, mesmo com uma profissão mundialmente bem paga, trabalhando em portugal seria IMPOSSÍVEL viver numa zona de standards decentes, como o Parque das Nações, as Amoreiras, talvez Telheiras. Estive estágio um mês em Dublin, e embora a Irelanda tenha má fama especialmente entre os seus vizinhos a leste, não vi lá sequer 20% do "filth" e da podridão que se encontra em Lisboa, pelo menos quanto aos prédios em geral e estado das habitaçoes e organizaçao urbana. Os próprios sistemas de transportes são mais limpos, tudo muito mais formalizado e mecanizado (quanto aos autocarros). Os preços de arrendamento contúdo não são muito diferentes(um nadinha mais)... entre os 1000 e os 1500 euros para um T1 com condições, a 10 minutos da grafton street e a 20 da google. A DIFRENÇA CONTUDO É, enquanto que em lisboa comtinuaria a ganhar 900-1200€, se optasse por continuar, ganharia MAIS DE 3000€ em INÍCIO DE CARREIRA. Concluindo, muito obrigado por ter escrito este artigo, que veio a clarificar o que muitos se recusam a ver.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. CORRECÇÃO: *se optasse por continuar EM DUBLIN, desculpem-me o erro.

      Eliminar