Em Ponte de Sor


Em tempos foi construída a ponte
sobre o rio, doce, pacato: o Sor
que me lava as mágoas do amor
e que me refresca a morena fronte

Bebo as águas de uma fonte
que me inunda o ego de ardor
que me cura, que sara a dor
perscruto a paz no horizonte

Teço as teias de ternura
do leito que nos envolve
amo a dócil amargura

da teia que nos acolhe
bela mulher, que formosura
que o meu frágil corpo colhe

Sem comentários:

Publicar um comentário