Hoje torço pelos Checos, por Portugal




Escrevo-vos no dia em que Portugal joga contra a República Checa para o Europeu 2012. Rogo-vos, acabem com este circo. No tempo do Império Romano era pão e circo para o povo, no tempo do Estado Novo, houve um incremento em um no número de ideais, passando a ser Futebol, Fátima e Fado. Veio o 25 de abril, investimos na educação, na cultura e ainda mais na educação, dizendo mesmo Guterres que a sua paixão era a Educação, mas o circo ficou, ficou Fátima, ficou o Futebol e vai ficando o Fado, belo e poético. Portugal é regido por credores, tem o pior nível salarial da zona euro, tem um endividamento patológico e as suas contas públicas fazem o país tanger a insolvência, há 600 mil pessoas a ganhar o ordenado mínimo, há milhares de falsos recibos verdes sem quaisquer direitos e mais de 80 por cento dos reformados ganham menos de 500 euros por mês. A corrupção é galopante, a justiça não é célere, a educação prima pela incompetência, o sistema administrativo público é burocrático, e é neste estado de bancarrota que a seleção de futebol, à custa dos contribuintes fica no hotel mais caro da Polónia, pagando mais pelo alojamento que seleções como a Alemanha ou outros países ricos do norte da Europa. A cada dia de futebol, o povo deixa de trabalhar e a cada golo de Ronaldo, o povo delira com futilidades orgásmicas coletivas.

Um golo de Ronaldo é como um orgasmo coletivo onanista, infértil, sem semente produtiva para o país e violentamente efémero. A cada dia que Portugal joga o povo fica inebriado com a seleção e despreocupa-se com as verdadeiras causas da desgraça nacional. Há mesmo empresas que fecham à hora do jogo. Na Suécia onde vivi um ano, ninguém liga ao futebol, na Alemanha a maioria da população está-se marimbando para o futebol, mas nesta América Latina da Europa que é a Lusitânia, Ronaldo é visto como um semi-deus, um salvador messiânico luso do sebastianimso pessoano. Para mim, não é mais que um mercenário que ganha 13 milhões de euros por ano em terras de Castela.

A matemática é pura: o sucesso futebolístico de um país é inversamente proporcional ao seu nível de desenvolvimento.

Lista dos países mais ricos da Europa em PIB per capita (fonte: Banco Mundial)
(quanto mais rico, e com melhor qualidade de vida, piores são os resultados futebolísticos)


País
PIB per capita em dólares
Número de vezes que foram à final
numa taça da Europa ou numa taça do mundo
Luxemburgo
99,879
0
Noruega
81,111
0
Islândia
62,733
0
Irlanda
58,339
0
Dinamarca
55,992
1
(campeã no europeu de 1992)
Suíça
55,035
0
Suécia
48,584

1
(segundo lugar no mundial de 1958)
Holanda
46,041
4
(segundo lugar nos mundiais de 1974, 1978 e 2010)
(campeã no europeu de 1988)
Áustria
45,562
0
Finlândia
45,515
0

Fonte: Wikipédia, UEFA, FIFA

Por tudo isto, eu hoje, só posso torcer pelos Checos. Hoje, gritarei bem alto "República Checa, vamos lá!", Pelas checas e pelas quecas por Praga, uma bela cidade que me viu desabrochar, e acima de tudo por Portugal. Acabemos com o circo. Hoje, torcerei pelos checos, por Portugal!

Sem comentários:

Publicar um comentário