Da civilidade e da política - devem os políticos comer de faca e garfo?


Primeiro-Ministro japonês comendo sushi,
cujo peixe foi capturado junto a Fukushima
Pedro Mexia, cujas opiniões sensatas me apraz ouvir, refere constantemente no espaço público, como forma de atacar Trump e outros políticos populistas, que o mínimo que se pode exigir à classe política é que "coma de faca e garfo", ou seja, uma parábola para que a classe política obedeça a critérios de civilidade e sensatez. Embora na generalidade eu concorde com o conceito, tenho as minhas objeções que tal seja um critério deveras essencial na política, pois o pior lobo é aquele que se mascara de ovelha, fazendo eu também aqui uma comparação metafórica. Quando analisamos a política externa americana no domínio das suas campanhas militares, vemos claramente que a administração Trump foi pautada, por muito paradoxal que possa parecer, por uma política de isolacionismo, o que na prática, no contexto americano, significa uma política de Paz. Já a administração de Bill Clinton, cujo presidente comia certamente de faca e garfo, envolveu os EUA nas guerras de Bósnia, contra a Sérvia, o Iraque, o Afeganistão e o Sudão. Não digo com isto, nem de perto, que Trump seja um pacifista, pois o motivo para este paradoxo obedece a razões muito pragmáticas do ponto de vista político. Políticos que sejam tidos pela opinião pública como "civilizados, humanos e cordatos" têm muito mais margem de manobra política (leverage) para empenharem os seus países em guerras e campanhas militares. Assim como políticos de esquerda, que têm o "dom" por parte da opinião pública de serem mais humanistas, têm mais margem política para tomarem decisões desumanas ou insensíveis. Ou ainda como refere o humorista sul-africano Trevor Noah, os negros têm muito mais autoridade e legitimidade para contarem piadas sobre negros.

Indubitavelmente que Trump não só é um político medíocre, como é um político mentiroso, populista e demagogo. A questão é saber até que ponto esse tipo de políticas ou políticos, no contexto dos estados de direitos modernos, são nefastos para a saúde da própria democracia liberal em comparação com políticos polidos que coloquem de facto em causa o estado de direito ou a separação de poderes. Temos em Portugal, por exemplo, um político aparentemente sensato e extremamente polido, como António Costa, que através do ardil e do calculismo político, não só tomou conta do poder, como estando no poder tomou conta dos diversos organismos do estado que supostamente deveriam ser independentes do poder executivo. Eu percebo perfeitamente o argumento de Pedro Mexia, de que na política deve reinar a civilidade, a polidez e a urbanidade; alerto contudo ainda que há um enorme paradoxo histórico nessa análise: Hitler comia certamente de faca e garfo, i.e., não poderia haver líder político mais polido e educado nos costumes do quotidiano como Hitler e por certo raramente proferiu um impropério. Já Churchill era alcoólatra, fumava em demasia, era irascível e insensato, e as suas declarações públicas estão repletas de polémicas que ainda hoje são censuradas. Como conclusão devo referir que se é verdade que os políticos devem comer de faca e garfo, muito mais importante que o uso de talheres, são as suas ações concretas no domínio das políticas públicas e no respeito pelo estado de direito.

Sem comentários:

Publicar um comentário