Through my elongated lusty pen...


Through my elongated lusty pen
I strike my inner fleshy force
thou art this ink luscious course.
Hold thee tightly, one just can?

I envy all those virile men
whose forefingers thrust thee through
"May I call you my Loulou"?
Thy sins are not seven, they are ten!

How do thou strengthen my desire?
Why my pen gets so long?
whose length depends on thy fire

and on that lusty vigorous song?
Thou art the queen of my empire
Thou art the words, within my tongue


---


Can a Poet, be contracted by his pen?
For this tool, please provide me other words.
Women: have you thought on those swords
which belong to the brawny men?

Possesses thee, one just can?
Permission from the king and your lords
shall I get, to tight thee with my cords
cause my sins have already got to ten!

In each finger, I offer thee a sin
In each sonnet, I strike my propeller
Thou art so pure, I'd be so keen

to become thy favourite story teller
woman, thou art the reason why I'm mean
thou art my best Poetry bookseller!

A Mulher-Cidade-Catedral


P'lo mundo do desejo e da luxúria
na Mulher, nesse ente ser divino
na cama, irrigas-me com o vinho
tinto, do sangue e da penúria

E quando te brado em lamúria
nesse hímen casto, canto um hino
não passo de um sacro menino
que te segreda, ao ouvido uma injúria

Contemplo-te as abóbadas do mosteiro
cada arco do teu corpo foi esculpido
por Homero, o Poeta pioneiro

cada pilar em teu corpo foi fundido
no crente, no Messias mais cimeiro
que to espeta com a seta de Cupido

---

O Arquiteto que te fez há tanto tempo
esculpiu-te com o esquadro e o compasso
fez-te ver em cada alma um tormento
uma guerra sanguinária em cada passo

E nas guerras, nos brados, no lamento
no desejo, na paixão pelo teu traço
oro em honra a esse momento
em que te forço nas garras de um abraço

Diz-me, quem esculpiu as tuas curvas?
Que incauto, por certo não seria
Desenhou-te as artérias e as ruas

Inundou-te de fluido a larga ria
Despiu-te as lascivas pedras nuas
do mosteiro. Pões o crente em agonia!

---

Que to disse, que bela não eras?
Quem foi que proferiu tal heresia?
que nas tuas ancas no outro dia
revi a cópula de duas feras

Os teus seios são quimeras
cada olhar, a maresia
Sou Poeta, és a Alegria
Sou escuteiro, p'las tuas serras

És Vénus, o planeta vagabundo
que no meu sono, revela a perfídia
és coveira funesta, o osso imundo

que a miséria me trazes com a mídia
e na carne mulherenga deste mundo
está a génese primária da intriga!


Aumento de taxas municipais em Lisboa para 2014


Segundo noticia o jornal Público, a CML anunciou que para 2014, vai aumentar uma série de taxas municipais penalizando ainda mais os seus moradores e comerciantes. A somar a todos os impostos que os portugueses pagam, vêm aí aumentos numa série de impostos municipais em Lisboa, para suprir o decréscimo na receita da autarquia.

Embora não tenham especificado quais, é expectável segundo a mesma fonte, que se aumentem para 2014 o IMI, a Derrama, o IRS (na parte que constitui receita do município) e a Taxa Municipal de Direitos de Passagem.

O direito à habitação está constitucionalmente consagrado, mas neste direito a autarquia de Lisboa, do ponto de vista fiscal, mais não faz que o lascar. Quem tem habitação própria tem obrigatoriamente que pagar IMI e taxas de direito de passagem que vêm inscritas nas faturas dos fornecedores de serviços. Já a posse do automóvel, para não variar, recebe dos nossos edis, o estatuto de sacrossanto, e nas taxas sobre o mesmo, nem se toca.

O neo-clero: os elementos da seita dos mercados


Na idade média, antes do aparecimento da burguesia, haviam essencialmente três classes sociais: os nobres que detinham as terras e faziam a guerra; o povo, que trabalhava para os nobres, pagava-lhes impostos e servia na guerra normalmente na infantaria; e o clero, uma classe dotada de conhecimentos intangíveis que dominava os assuntos do sagrado da ordem ideológica vigente.

Os nobres eram os capatazes do povo, geriam os seus negócios, a sua diplomacia militar e territorial com a coroa e defendiam o território contra as invasões de exércitos inimigos, sendo a sua missão mais importante a preservação da soberania territorial. O povo, era quem trabalhava, era a mão de obra de qualquer país, e dele vinham os elementos mais frágeis que serviam nas guerras medievais. Os mais hábeis poderiam servir de arqueiros, por exemplo, ou de cozinheiros para o senhor feudal. Os elementos do clero, eram aqueles que hoje sem qualquer margem para dúvida se denominariam de "parasitas". Entendidos nos domínios da ordem ideológica e teológica vigente, não trabalhavam, não pagavam impostos, não pagavam qualquer tipo de rendas, e ainda recebiam habitações luxuosas, rendimentos generosos, alimentação e transporte gratuitos. E quem pagava tais benesses? A coroa ou os nobres, que por sua vez obtinham através de impostos que cobravam ao povo.

E como mantinha o clero este estatuto superior e quase sacral? Baseavam-se nos Evangelhos, no seu sapiente conhecimento e no medo instituído ao povo do Todo-o-Poderoso, para que o povo fosse explorado e se limitasse a trabalhar para si. O clero era assim, um extrato da sociedade que de tangível nada produzia, e que nem trazia qualquer mais valia económica, social ou intelectual para a nação. O seu domínio era o domínio do intangível, e por esse conhecimento deveria levar uma vida faustosa onde a frugalidade e a temperança não eram termos postos em prática. Foi também devido a este tipo de sectarismo social e a este estatuto quase sacral que o clero de então levava, que se deu origem à denominada Reforma, dando origem às igrejas protestantes.

The link between money and faeces, according to Freud


This is science: according to Freudian psicanalitic and psicossexual theory of human psychological evolution there was a strong relation between faeces and money. Individuals who, while being children had more pleasure retaining their faeces using their anal sphincter, are more probable to be a miser adult, while children who had more pleasure expelling their faecal excrements, would more probably be waster adults. This happens mainly in the so called anal phase, the second stage of Freudian psicossexual development, between around 2 and 4 years old.


"Rabo" in Portuguese means literally "ass"

O aborto e as questões da "opção"


Para os sofistas bárbaros, infanticidas e medíocres que advogam a "opção" nas questões do aborto, conto-vos uma pequena estória que me contaram há mais de 20 anos.

Num campo de concentração nazi, havia uma jovem mulher judia, que tinha dois filhos gémeos menores. Um oficial nazi de elevada patente, aproxima-se da mulher com um revólver em riste apontado para as crianças e pergunta:
-Qual dos dois quer ver morrer?
A mulher em choro desesperado e aos gritos refere:
-Nenhum, por favor nenhum.
O oficial nazi responde:
-Dou-lhe a opção de escolher. Caso não escolha nenhum, mato os dois.

A génese do Mal: estados unidos da américa



Às 8:15 de 6 de Agosto de 1945, um avião de nome Enola Gay, larga uma bomba de nome Little Boy na cidade de Hiroxima. CEM MIL PESSOAS SÃO FULMINADAS EM NOVE SEGUNDOS.

Concluo aquilo que qualquer humanista não pode deixar de concluir. Enquanto a américa existir enquanto nação, a Humanidade não terá paz, os estados unidos da américa representam o Mal da Humanidade, um cancro para o Homem, e esse cancro precisa de ser curado, com Amor e com a Palavra, nunca com violência. Os estados unidos da américa representam o Mal para a Raça Humana, representam a doença mais nefasta que a Humanidade já presenciou, são um vírus que precisa de vacina. Os estados unidos são uma doença funesta, uma doença mortal, uma doença que tem cura, e essa cura chama-se Amor e Palavra. O Mal trata-se com o Bem. A violência cura-se com a Paz, o ódio cura-se com o Amor. O Mal que representa os estados unidos enquanto nação e enquanto ideal cura-se com o total desprezo e repúdio pelos seus ideais, pela sua cultura desprezível, pela sua música, pela sua cinematografia fútil e horrenda, por desprezo com todos os seus presidentes, por desprezo com todas as suas celebridades, por total desprezo com todos os representantes da sua cultura, da sua diplomacia e dos seus ícones culturais. Os estados unidos da américa representam, na iconografia metafórica religiosa, Satanás. Mas o Satã não se combate com a espada, mas com a caneta. O Satã não se combate com o sangue, mas com a Palavra, o Satã não se combate com o ódio, mas com o Amor. Hoje declaro guerra aos estados unidos da américa. É a guerra fria da Palavra e da Paz, do desprezo e do repúdio. É impossível o meu coração ficar indiferente perante este horrendo desprezo pela raça humana. A américa enquanto nação, com os seus ideias, e não os seus habitantes obviamente, representa a verdadeira génese do Mal. Este é um cancro que muitos veneram, e eu não sou um deles. E para esse cancro há uma cura: Palavra escrita que reponha toda a Verdade sobre a desumana crueldade perpetrada pelo império do Mal.

Walking measuring tip: two normal adult steps are 1.5 meters


Just for the record, so I wont forget. Romans were using steps as a standard measure, as legions were marching through Europe. The word mile actually comes from Latin mille which means one thousand paces or double-steps. I realized that one pace was 1.48 meters, so two steps should be around 1.5 meters. I tried now at my home with a measuring stripe and it works quite fine. Try to walk two normal steps and you'll se that it should be around 1.5 meters. Obviously, this shall not be used to make fine measurements but it's a very good tip to easily make a rough approach to distances. Keep in mind: two normal adult steps are 1.5 meters. 

The calculations are quite simple if you consider that 1.5/2 is 3/4. So you just need to find 3/4=75% of the number of the steps you give, to find the correspondent distance in meters. The simplest mental act to do, is to divide by 4 (divide by two and again divide by two) and then multiply by three. If you walk 8 steps you walk 8/4*3=6 meters; 12 steps, you get 9 meters; 20 steps shall be 15 meters and so on.

A Lila foi trucidada por um carro




"Era apenas uma gata" numa aldeia onde tenho casa, uma pequena aldeia onde a velocidade máxima devia ser 30km/h, todavia circula-se às vezes a 80km/h. O excesso de velocidade é um grande problema em Portugal nos meios urbanos, e entretanto a Lila foi trucidada e desventrada por um carro que segundo testemunhas ia quase a 90km/h, e que nem se dignou a parar, ficando a sua carcaça desfeita no meio de estrada. Foi a Lila mas podia ter sido uma criança, e se fosse uma criança não seria por certo a primeira.

Este tipo de acontecimentos dão-me energia para continuar, e mais não direi, porque tudo o que a seguir disser não será por certo delicado, pois não quero ofender o cabrão e filha da puta do Barbosa e o seu coio de preguicentos do ACP.

Nuno Crato defende que o povo passe fome?


Foto de Nuno Ferreira Santos, jornal Público
Muitos dos nossos jornais estão tão sedentos de notoriedade que truncam as palavras dos dirigentes para obterem mais leitores, estes últimos sedentos de apedrejarem os governantes. Nuno Crato, numa conferência sobre o Orçamento de Estado para 2014 e num exercício meramente hipotético e metafórico disse que "teríamos de trabalhar mais de um ano sem comer, sem utilizar transportes, sem gastar absolutamente nada só para pagar a dívida". O que é uma metáfora matemática, sendo ele um homem dos números, considerando que a dívida pública é 130% do PIB, ou seja cerca de 15 meses de produção.

É uma metáfora que uma mente minimamente inteligente entende, e que os jornais truncam e amplificam para receberem mais leitores, numa altura de crise e de dificuldades. Lembremo-nos que Nuno Crato é um académico reputado, com várias publicações científicas e nunca defendeu que o povo passe fome, não deturpem as coisas por favor.

Todavia muitos jornais de referência publicam notícias a negrito cujo título é Crato diz que era preciso "trabalhar um ano sem comer" apenas para lançarem achas para a fogueira.

Imposto de circulação automóvel (IUC) na Holanda


O salário mínimo na Holanda é, líquidos, cerca de 1100€ por mês vezes 12 meses. Em Portugal, líquidos é cerca de 430€ mensais (consideremos apenas 12 meses). O rácio do salário mínimo é então 2,5 vezes. O salário médio líquido em Portugal ronda os 720€ mensais, já na Holanda ronda os 2000€, ou seja um rácio de 2,7 vezes mais

A seguinte tabela apresenta um comparativo entre o Imposto Único de Circulação pago em Portugal, com o equivalente pago na Holanda, o motorrijtuigenbelasting, mais conhecido como MRB. Os valores são anuais. Apresentam-se na tabela cinco carros muito conhecidos entre os portugueses e com um número elevado de unidades vendidas. A tabela não é exaustiva, é meramente exemplificativa. Os dados para o IUC Holandês, são referentes à região da Holanda do Norte, onde se encontra Amesterdão. 

Automóvel
Emissões de CO2 (g/km)
Cilindrada
(cm3)
Peso
(kg)
Rácio aproximado
118
1500
1220
130 €
1144 €
9
127
1149
1071
162 €
456 €
3
95
1368
1020
130 €
456 €
3
VW Golf Mk6
1.6 TDI
120
1598
1200
130 €
1144 €
9
205
1951
1950
342 €
2220 €
6,5

Pode o caro leitor fazer a sua simulação para o seu carro, no sítio do governo Holandês. Escolha a primeira opção: 'personenauto' e na província escolha: 'Noord-Holland' (Holanda do Norte onde é Amesterdão). Depois é só dizer o combustível ('benzine' é gasolina) e dizer o peso do veículo. Os valores aparecerão por trimestre e por ano (jaar).

Só peço que da próxima vez que se discutirem estas matérias não me venham com a tanga dos salários. Todos os portugueses que conheci aqui na Holanda, não têm carro. O Samuel, dos seus 40 anos e que é do Porto e que está empregado nas limpezas no parlamento Holandês, só anda de bicicleta. O Luís, que trabalha numa fábrica e também é da zona do norte de Portugal, só anda de transportes públicos. É assim que eles poupam para enviar dinheiro para a família. 

A Holanda tem 16 milhões de habitantes numa área igual à do Alentejo. Raros são os prédios com garagens, pois os holandeses não estão para dar mais 20% pela habitação para as fundações dos parqueamentos (não, não é apenas por causa do terreno como muitos pensam). As grandes cidades holandesas são mais populosas que as portuguesas, por exemplo a grande área urbana de Amesterdão tem 2,2 milhões de habitantes, mas tem mais bicicletas que habitantes. Os transportes públicos são excelentes e quase omnipresentes. As ruas são das pessoas e não dos carros. 

Criticam-me sempre, pois segundo muitos, em Portugal é preciso melhorar antes os transportes públicos. É a velha questão: primeiro o ovo ou a galinha? Melhorar primeiro os transportes públicos ou desincentivar o automóvel nos meios urbanos. Não me levem a mal, espero, mas 30 anos passados em Lisboa e apercebi-me que não podemos ficar à espera do ovo, e temos que ir à galinha.

Há muitos portugueses que só passarão a usar autocarro ou comboio, quando estes tiverem serviço de excelência de primeira classe, com bancos em pele, e televisão a bordo. Por isso o caminho que em Portugal deve ser tomado é só um: aumento brutal dos combustíveis e aumento de todos os impostos relacionados com o automóvel. Num país sem qualquer consciencialização cívica ou ambiental, as gentes só se regram “quando lhes vão ao bolso”.