Mar Salgado


Pessoa foi o Místico
foi o Profeta
foi o Mago
foi o Poeta Iniciado

Bocage foi desregrado
foi eternamente exuberado
foi arrojado
e mal amado

Florbela escreveu um verso apaixonado
e um soneto enamorado
enquanto Ary em Abril plantou um cravo
com um texto revoltado

Pessoa no Martinho está opiado
e embriagado
enquanto escreve D. Sebastião, o enublado
O desejado

Florbela escreve um verso mal fadado
Ary plantou um cravo

Camões é o excelso, é o Augusto
O Lusitano, o iluminado
escreve a epopeia do navegante
que atravessou o cabo

Pessoa foi o Mago
Deus o agente, D. Sebastião o adorado

E Florbela,
seu cruel fado

E Bocage, um homem dado
aos prazeres do vinho e do pecado
e às belas sereias do Sado

Pois sou eu o Poeta Augusto
O Combatente
Uso a caneta ilustre
Sou o fiel crente

Que vencerá os déspotas do Mal
Que aos gentios dará o nobre sinal

Que cumprirá o mar salgado
e Portugal

Sem comentários:

Publicar um comentário