Inundação lexicográfica amorosa


Inundam-me os verbetes
do léxico lusitano
Filólogo puritano
Das palavras, um banquete

Do ‘S’, a serpente

O ‘M’ de mundano
O ‘P’ de profano
Agarro o transcendente

Nádia, como te amo

Sou um homem passional
Sou terno, sou tirano

Índole desigual

Contigo sou unígamo
Casal sacramental.



Sem comentários:

Publicar um comentário